quinta-feira, 28 de julho de 2016

A Anacamptis × simorrensis (E.G.Camus) H.Kretzschmar, Eccarius & H.Dietr.

Em S. Romão, Vagos, em terrenos que não são cultivados há muitos anos, existem grandes populações de Anacamptis coriophora e Anacamptis pyramidalis nas zonas mais secas, e Dactylorhiza elata nas zonas mais húmidas. E claro, diversas Serapias por todo o lado!

As populações de ambas as Anacamptis são de centenas de exemplares, e seria de esperar que existisse algum hibrido. Ainda por cima alguns amigos da AOSP informavam tê-los encontrado.

Mas com terrenos da ordem dos 60.000 m2, é uma busca complicada. Ao fim de 4 anos de buscas intensivas (o ano passado fui lá 5 vezes !), finalmente encontrei não um mas 2 híbridos. Foi a minha descoberta de 2016 !

Este cruzamento não é de todo frequente na natureza, mesmo em populações muito numerosas, como é o caso.

É mais parecida com a A. pyramidalis, da qual se destaca pela cor intensa, que nenhum dos progenitores tem.

Uma análise mais detalhada das flores, comparativamente com as dos progenitores, permite perceber as diferenças, ao nível do esporão e labelo.

O labelo pende para a A. coriophora, enquanto que o esporão é mais parecido com a A. pyramidalis

Fotografias tiradas a 13 de maio de 2016.

 
 Anacamptis pyramidalis

 
 Anacamptis pyramidalis (à frente) e Anacamptis × simorrensis (atrás à direita)

 Anacamptis pyramidalis (direita) e Anacamptis × simorrensis


 


 Anacamptis × simorrensis

Anacamptis × simorrensis (esquerda), Anacamptis pyramidalis (centro) e Anacamptis coriophora

Nenhum comentário:

Postar um comentário